sábado, 18 de abril de 2020

Division 2 - Expansão DLC Melhorado - Lords of New York

19:23:00 0
Olá,

Ao fim de pouco menos de um ano, como publiquei aqui "porque nao jogo mais division 2", decidi voltar para ver se o jogo tinha mudado, melhorado ou se tinham feito algo. Fiquei surpreso que mesmo sem o DLC vi muitas melhorias. Um sistema de builds e mods que permite adaptar teu personagem para diferentes missões e/ou objetivos. Um pouco complexa, ainda, de se compreender, mas algo que prende o jogador no que deveria ter sido a aposta no inicio "farm".
 
Apesar se sentir azedo, depois de comprar o jogo cerca de 60 Euros + 1 Year pass ter de gastar mais 30 Euros para ter acesso a uma expansão do mapa/jogo. Resulta que mesmo assim o que encontrei em Nova York não foi só mais mapa, mas todo um enredo bem feito. A entrada está bem feita no cutscene, e deu-me logo uma visão de que o jogo tinha mudado e para melhor. Eu não quero dar spoilers.

Prólogo: Na mais nova expansão, Lords of New York, terás acesso a novos locais, conhecerás novos bandidos psicopatas e receberá uma nova diretiva para caçar Aaron, o desonesto agente da divisão. Antes que ele possa liberar uma nova arma biológica.

Em um cenário pós-apocalíptico em cenário de pós pandemia a baixa de Manhattan atingida por um furacão que devastou as ruas já destruídas, a cena continua incrivelmente terrível, apesar da destruição, os tiros, a violência e o lixo.


A pandemia conhecida como "veneno verde", também conhecida como gripe do dólar, foi colocada em dinheiro e espalhada por Nova York durante o outono de 2015, durante uma das mais movimentadas eventos de vendas, Black Friday."  - Gostei das melhorias!!



quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Star Citizen a desilusão - Tenho uma pontaria do ********

06:42:00 1

Bem, isto é sempre um "pain in the ass" mas infelizmente tenho sempre a tendencia de avaliar um título/jogo antes de conhecer o real cenário... Não obstante saber que o jogo ainda está em fase Alpha o jogo em si está muito além de qualquer expectativa.


Recapitulando, a temática dos jogos em fase Alpha ou Beta, estou em crer e cada vez acredito que os jogos ultimamente saem com essa fase embrionária não pelo motivo que os developers alegam "é para reportarem bugs para corrigirmos" como se o consumidor final fosse um beta tester que ainda por cima tem de pagar o preço final como se o jogo estivesse já acabado. Isto não é só um tema exclusivo do Star Citizen mas tem sido mais do mesmo e é uma cassete que não acaba.

Para poder explicar melhor vamos por partes: Depois de esperar anos, mais precisamente 6 longos anos, decidi comprar o acesso ao Star Citizen. Vi videos e livestream que mostravam um jogo não acabado mas estável e jogável. Isto ocorreu na versão Alpha 3.6 e a minha primeira experiencia foi um desastre. Um desastre pois mais de metade das missões não funcionavam simplesmente, pior, o jogo fazia a gentileza de te deixar iniciar a missão, e no último passo para completar a missão vinha o bug.... (importa referir que foi reportado sobre a premissa do desenvolvimento que o reportado é para corrigir - MENTIRA). O problema começa logo pela mecânica do jogo, distancias e tempo que se perde, literalmente a viajar de um lado para outro para apenas receber uns créditos no jogo. Isto tudo com a premissa de que no fim de algum outro update (ie: 3.7) a conta seria resetada ou seja todo o progresso do jogo perdido. Isto tudo acrescentando o facto do jogo crashar vezes sem conta ou ter demasiados problemas para se enquadrar que qualquer experiencia de jogo aceitável. Eu brinco com as palavras mas a realidade é que isto é um monte de bugs a tentar ser um jogo, literalmente.

Durante os 2 primeiros meses de 100% do tempo que tentei jogar 9% foi o que consegui jogar o resto foi queimar a paciência ao limite, perca de tempo, enquanto fazia livestream tentando demonstrar que o jogo valia a pena..... Quando na verdade não vale a pena. Se por um lado o Star Citizen tem um aspecto grafico bonito e atraente, não o tem com mecânica e o que realmente se passa.

Desde logo eu pessoalmente não meto 100, 200, 300 ou 1.000 euros no jogo para comprar naves, quando nem sequer as naves estão acabadas, são "vendidas" com a premissa de que é para ajudar no desenvolvimento (tretas) quando no fim das conta que são como tudo no jogo de (7 anos de desenvolvimento) - Será feito mais tarde. E é difícil ver algo no jogo que não seja mais do mesmo, Será feito mais tarde (TBC).

O que é chamado desde o inicio de Universo persistente, não passou de uma mentira alimentada pelo TBC to be continued, com sucessivos resets na conta, e mesmo tendo poucos mais de 3 meses de gameplay não aceitei em nada receber mais um reset neste último update 3.8 (um belo presente de natal lançado apenas por compromisso). Update lançado cheio e repleto de problemas, bugs e crashes para azedar qualquer um.

Mas eu não estou aqui para falar mal do jogo mas para retratar o desastre que foi a minha experiencia. Se te servir de abre olhos, melhor mesmo é esperar mais uns anos para ver o que vai dar.... Tenho horas incontáveis de livestream que só demonstram isso um jogo completamente instável, quebrado e sem a atenção devida.

Chega a ser surreal não corrigirem bugs básicos mas lançarem novas naves incompletas para vender por XXX euros

Outra porcaria de jogo que vai no mesmo sentido é o Osiris - New dawn um jogo que comprei e nem da tela de loading consegui sair, o suporte é inexistente,

Já foram ambas épicas bostas desinstaladas do meu PC.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Origin M50 Interceptor - A formula 1 do Star Citizen

07:18:00 0

Origin M50 - Desde o inicio não era de facto um modo de gameplay que me atraiu muito até porque até a data não existe nenhum circuito próprio para fazer corridas, então pensei na altura "para que quero uma nave de corridas se não posso fazer corridas?". A minha opinião mudou drasticamente após alugar uma por 24 Horas. O preço de aluguer acho que compensa, mas só compensa bem quando tens vagar para usar ela.

Como alugar a M50? - Em Lorville em frente aos elevadores de acesso aos hangares tem um quiosque com os displays. Nesse display podes encontrar não só a M50 mas um número grande de naves para alugar. (tabela de preço M50 abaixo)
* 35.814 UEC's por dia
* 89.535 UEC's 3 dias
* 167.132 UEC's 7 dias

* 537.210 UEC's por 30 dias.


Apesar dos períodos de aluguer e preços eu sugiro que testem pelo menos o aluguer de 24h principalmente num sábado (ou quando tenhas a certeza que terás tempo para brincar com ela).

É prometido é uma elevada dose de adrenalina e confirma. A M50 não é só uma nave de corridas rápida mas uma nave com uma elevado e bom tempo de resposta, tornado-a uma das mais rápidas e ágeis do jogo até a data. Tem dois canhões de laser pequenos e 2 misseis (se não estou em erro). No entanto tudo nesta nave tem de ser ponderado como pequeno, ou seja quantum drive, loadout de armas, depósito de combustível, espaço no cockpit é tudo em escala de pequeno. Ou seja apesar de ser uma nave bem rápida tem as suas limitações de alcance e de uso, apesar de ser uma interceptor (interceptador).



Para "missões" de interceptação, freefly ou loucas corridas recomendo sempre vôos em locais em que existam pontos de referencia, ou seja na superfície de planetas, em cidades (entre os prédios) ou no espaço nos vários cinturões de asteroids. Em locais sem pontos de referencia o vôo não tem nada de especial dado que não nos apercebemos da verdadeira velocidade.

Se te sentes pronto para fazer um test flight, então aproveita. Espera por um dia que tenhas vagar, alugar pelo menos por 24 horas e diverte-te. Caso tenhas algo para sugerir usa a caixa de comentários do blog.
Espero que gostem, porque eu A-DO-REI

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Star Citizen - Machinima work in progress

09:41:00 0
Desde logo vi o potencial deste jogo "Star Citizen" não só para modo de jogo em Role play (Interpretação de papéis) no contexto do jogo em si, com as principais temáticas de fundo (espaço e futuro), como também compreendi em parte o grande potencial deste jogo para Machinima.

Para os que já conhecem os meus trabalhos em Machinima (cinema e maquina) sabem que ou amante nato da arte de produzir composições para videos de curta e média metragem.

Se no passado foquei-me muito nas produções abstratas, neste momento queria realizar algo mais em modo de história. Baseando no ano 2946, exacto ano em que decorre a história do jogo em si (Esquadrão 42), decidi criar um curta metragem (por agora) de uma aventura contada em monologo por um explorador do espaço. Tenho andado ultimamente muito ativo no jogo, sempre a procura dos melhores cenários, roupas, adereços, escolha de personagens e ajuda de outros players. 

A ideia do argumento começou desde logo ao compreender alguma das realidades do jogo em sí, seja pelo sentimento de solidão (quando jogamos sozinhos) seja pelo contexto de aventura no espaço, pelo desconhecido. Queria tentar retratar em pleno o que seria essa "viagem". Bem não posso ainda adiantar muito sobre o conteúdo para evitar spoilers, e também porque estou ainda a tratar do script das cenas. :)
Mas isso não boas novidades. Só terei de encontrar por agora um voice over em inglês, o que não deverá ser nada complicado. Felizmente guardei os meus contatos de produções multimedia que fiz no passado. Só terei basicamente de encontrar a voz certa e a pessoa que tenha capacidade de representar.

Estou com saudades das produções e só isso será uma enorme motivação para dar seguimento a mais um projeto.

Quando o jogo evoluir um pouco mais, ficará muito mais apetecível para role play. Já criei uma temática de fundo e será uma empresa de segurança chamada Quantumgenics. Especializada em assegurar bens e serviços, este será o inicio de uma aventura que prevejo ser no minimo épica.

O conteúdos do Role play não poderei adiantar muito por agora dado que é necessário aguardar os updates para ver o que de fato é possível fazer. Mas sim o potencial é enorme. 

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Star Citizen - A caminho das estrelas - The ultimate space gameplay

07:34:00 0
Star Citizen - é um jogo em estilo open world (mundo aberto) desenvolvido pela Roberts Space Industries que tem uma longa história no desenvolvimento. Para quem não conhece a ideia para este jogo surgiu faz já uns 7 anos e teve inicio numa campanha da crowdfounding  Não obstante aos sucessivos atrasos por inúmeros fatores, neste momento o jogo já teve um lançamento oficial em fase ainda Alpha. Para quem não sabe o que é estado Alpha em desenvolvimento o mesmo antecede a fase BETA de qualquer jogo ou software em desenvolvimento, pelo que o que sabemos até a data é que até ao fim deste ano de 2019 o jogo passará de estágio Alpha para definitiva fase BETA. Vou colocar abaixo umas questões e respectivas respostas genéricas de forma a explicar ou orientar os potenciais interessados neste jogo alucinante.

Segue o link da imagem para criares uma conta com 5.000 créditos extra no jogo.
Promo só válida para o link da imagem. Os créditos só serão atribuídos para novas contas. 

O que tem este jogo para oferecer?


- Ora o Star Citizen tem um roadmap bem definido e completamente planeado, não obstante muita coisa ainda estar no papel, muitas outras coisas já foram feitas no jogo e já foi materializado de forma que seja jogável. Já existem várias localizações para conhecer (basicamente podes viajar e visitar um sistema solar inteiro e há já muito para ver). Bem como já existem um número grande de missões já disponíveis para jogar (mineirar, bounty hunter, investigação etc etc).

O que necessito para jogar Star Citizen?

- Primeiramente e isso é sempre o base para qualquer jogo são os requisitos mínimos para que o jogo rode liso e sem causar problemas de performance. Igualmente é necessário adquirir um Starter pack (pacote de iniciante) que será o necessário não só para começar mas como para jogar na integra.

Eu vejo naves grandes a venda e são muito caras. Eu preciso mesmo de comprar naves?

- Atenção, nesta fase o jogo não está concretamente a vender naves, o intuito é ainda de financiamento do jogo. Ou seja, não és forçosamente obrigado a comprar naves, no entanto se quiseres participar no financiamento cada pack tem uma nave diferente e "preço" diferente. Ou seja a compra de naves adicionais é totalmente facultativa e a não compra não te impede de jogar na integra. Como é óbvio alguns packs ou valores de financiamento dão acesso a items exclusivos no jogo, ou seja items que só podem ser adquiridos por este processo.

Como está o jogo neste momento?

- Bem eu não consigo falar das fases mais embrionárias do jogo, mas a experiencia que tenho do jogo foi entrar/criar conta na versão 3.6 Alpha, essa versão tinha alguns problemas e não obstante ser uma fase Alpha o mesmo necessitava na altura de update. Hoje em dia já saiu a versão 3.7 Alpha que corrigiu muitos bugs e problemas pelo que está muito mais perto da versão BETA prevista para o final deste ano 2019 (conforme expliquei acima).

Quais são os potenciais deste jogo?


- O Star Citizen em si está cheio e repleto de potencial no entanto aquele que mais destaco é a possibilidade de multiplayer e Role Play. Chega a ser alucinante a possibilidade de role play. Role-playing game, também conhecido como RPG (em português: "jogo de interpretação de papéis" ou "jogo de representação"), é um tipo de jogo em que os jogadores assumem papéis de personagens e criam narrativas colaborativamente. O progresso de um jogo se dá de acordo com um sistema de regras predeterminado, dentro das quais os jogadores podem improvisar livremente. As escolhas dos jogadores determinam a direção que o jogo irá tomar. Atrevo-me a dizer que o limite é a tua imaginação.

Existe alguma regra para jogar multiplayer?

- Não existem regras especificas. Cada jogador poderá ter a sua experiencia em solo ou em equipa. Existe já de base no jogo a possibilidade de te juntares a uma Organização já criada ou de criares tu a tua própria organização. O gameplay em sí não impõem regras no entanto é necessário cada player ter consciência da reputação que vai criando no jogo. Essa reputação para além do nick e player vai também pelo "registo criminal" ou seja atacar alvos sem serem bounties ou atacar aleatoriamente poderá te colocar em "Crime State" ou seja como criminoso. Não obstante já existirem grupos e organizações dedicadas à pirataria, só consigo dizer por agora que existem piratas e piratas. (se alguém se lembrar dos piratas das caraibas vai entender a minha referencia, pirata apesar de ser um pirata pode e "deve" ter um código de conduta). Matar por matar, destruir por destruir podem ser penalizados no jogo, quando o jogo não te coloca nesse estado de caçador de premios (bounty hunter).

Eu já li algo sobre o jogo e falam de PU e PTU. Afinal o que é isso?

- Bem o conceito base do jogo ou pelo menos o que é pretendido quando o mesmo avançar ainda mais no desenvolvimento é ter uma plataforma (gigante) com uma persistencia resiliente. Ou seja PU é a plataforma que está online onde todos os dias estou a jogar, quer dizer Persistent Universe. O PTU (Persistent Test Universe) é uma cópia do jogo para testes, basicamente qualquer coisa nova antes de entrar no PU passa pelo PTU primeiro. O PTU não tem estado aberto para todos os players (acesso é feito pelas contas que são subscritores, podes consultar aqui as vantagens). No entanto o PTU é só para testes, nada do progresso que tens no PTU passa para o PU.

Tenho estado quase todas as noites online (horário PT entre as 21:00 e as 1:00) no twich todos serão bem vindos até porque estou sempre aberto a esclarecer temas do jogo durante as lives. Basta escrever no chat que eu vejo. Caso necessitem de algum ajuda mais personalizada sugiro que entrem no nosso discord será sempre relevante indicarem qual é o vosso nickname no jogo (conhecido por Handle).
Watch Star Citizen [PTU 3.7.1] - A caminho das estrelas - The ultimate space gameplay from spyVspyAeon on www.twitch.tv
Entretanto deixo algumas fotos de um universo em franca expansão que não para de crescer de dia para dia. Irei oportunamente relatar algumas das minhas experiencias no blog.
Pelo que sugiro que fiquem atentos.






terça-feira, 10 de setembro de 2019

Tom Clancy Ghost Recon Breakpoint - Ubisoft falhou outra vez(?)

08:22:00 1
Ora eu com certeza já virei o disco e por ser mais um título que promete algo e entrega outra coisa que não o esperado é algo que não quero mais ter de passar. Infelizmente corri a fazer o post anunciar o novo lançamento, mas foi fogo de pouca dura. Depois de entrar no programa BETA test a realidade do que o jogo será veio ao de cima e não só não me agradou em nada, como deixou uma forte e persistente queima de expectativa. 

ex·pec·ta·ti·va |eis...èctou |èt|

(francês expectative)
substantivo feminino
1. Acto ou efeito de expectar. = ESPERA
2. Esperança baseada em supostos direitosprobabilidadespressupostos ou promessas (ex.: o livro superou as expectativas).
3. Acção ou atitude de esperar por algo ou por alguémobservando. = ESPERANÇA

"expectativa", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/expectativa [consultado em 10-09-2019].

Quando se cola um novo lançamento a um franchise único tal como o Ghost Recon, mais concretamente Tom Clancy Ghost Recon Wildlands, logo à cabeça a ubisoft está a colocar a expectativa em uma franquia alta. Um dos grandes motivos é o tempo que separa ambos lançamentos e os problemas que o Wildlands teve no lançamento (mais tarde corrigidos). Mas se há algo horrível e que me afasta completamente de comprar o Ghost Recon Breakpoint é a falta de coerência entre um título e o o novo título.

Se por um lado temos o wildslands que tem uma história repleta de personagens, história, plot, falar e uma alucinante jogabilidade o mesmo não se aplica ao Breakpoint. Não obstante ser ainda um jogo hibrido em que a Ubisoft colocou a tag #BETA, o mesmo está quase na sua fase de lançamento (em outras palavras, se houvesse algum imput para sugerir melhorias, organicamente a base do jogo já está feita, mudar? seria necessário eventualmente refazer o jogo em si, algo que a ubisoft não fará.....).

Joguei a fase de teste (servidor fechado) e a fase de BETA e só no BETA é que ficou visível as crassas falhas cometidas, e as falhas acabam por ser tão criticas que está a afastar o core de gamers que realmente gostavam do franchise.

Mas o que está mal do Breakpoint?

* Bem para começar sem generalizar o jogo não é claro na história, não obstante ter jogado umas poucas horas, não compreendi em nada o que tenho de fazer, como fui ali parar e o que ganho se seguir o caminho, por faltar em caminho, não há... Basicamente andei alí meio perdido.

* As animações do teu personagem estão completamente esquisitas, não reais e parece mais um bug do que algo feito erradamente. Exemplo correr e ver o ecrã todo a tremer não sei o que é.. mas essa foi a opção dos desenvolvedores. porque? só eles poderão dizer. Basicamente o sistema de animação chega a ser quase tão horrível como no Division 2 (em certas partes da cidade o personagem não desce um simples degrau, para um jogo que é necessário flanquear um adversário ter um degrau como obstáculo ou é gozar com a cara de quem quer jogar ou não entendo de todo) ironia ou não, não se sabe à data se foi um bug ou feature. 

* O Breakpoint tem mais uma base meio estranha de shoterlooter do que o seu antecedente. Ninguém ainda entendeu porque o Breakpoint tem um hub (acampamento), quando o wildlands foi feito em uma descentralização desse conceito.. Para que hub? Por mais voltas que dê não se entende. Ainda para mais sendo uma suposta base, de sobrevivente, onde há mais armamento que no resto do jogo.

* Menus e User interface complexo, nada intuitivo e sinceramente uma autentica bosta. É bonito mas a beleza não tira complexidade. Muitas opções são completamente redundante, só estão ali para encher o menu ou pelo menos aparenta. 

* Inteligencia artificial dos inimigos é uma anedota. Não consigo explicar detalhadamente porque só visto, chega a ser patético ver os NPC's a patinar na estupidez. Se o jogo é focado no PVE é de esperar no minimo uma IA que fosse aceitável... Mas não é.

* existe muita coisa a correr no jogo, plot, ação. Mas não se compreende de todo qual a sua motivação, ou o que são na realidade. Inimigos? porque? High tech como? Quem são? porque estamos contra eles? quem sou eu? porque estou alí? qual é o meu motivo, a minha razão? defendo o que? Como o jogo não entrega minimas pistas. O breakpoint soa-me a um Anthem 2.0.

Ponto bom, o jogo visualmente está bonito, mas fica lá a questão de poder ser lindo, mas de que serve beleza se não há jogabilidade prática?

O grande ponto de desilusão é a Ubisoft não ter aprendido a lição de títulos do passado e persistir em patinar alegremente no mesmo erro, over and over again. Um forma ignóbil que a Ubisoft arranjou de apaziguar as ínumeras reclamações dos jogadores foi afirmar que está atenta ao feedback e pede feedback. A questão é que..... Não fazem absolutamente nada com esse feedback. De inúmeros posts que fiz no fórum recebi ZERO de feedback, seja direto ou indireto.

Pessoalmente não compreendo de todo por que a Ubisoft me mete nesses programas de beta teste, para no fim dar tudo como garantido, felizmente não fiz pre order e não irei comprar a versão final do jogo. Mais, esse breakpoint (o nome já por si diz como me sinto nisto tudo) é uma promessa de mais do mesmo depois do Division 2..... 

Porque se gastei perto de 100 euros no Division 2 e no fim só fiz uninstall.. por que o jogo SUCKS!!! não vou de certeza alimentar a falsa promessa e a expectativa que a ubisoft tentou colocar na comunidade. 

Nota: a minha observação não impede nem quer dizer que gostes ou não do jogo eu é que já estou demasiado queimado e desiludido. Mas há tanto jogo bom e bem feito no lançamento que não vale a pena pagar para fazer o trabalho deles. Se a Ubisoft não sabe o que é gameplay, emoção e gestão de espectativa da comunidade então o problema é unicamente deles, desenvolvedores do jogo ou decision makers... who the fuck cares?

O consumidor final quer um produto pronto, um jogo jogável, não retalhos e algo que só daqui a algum tempo trará entretenimento. 

Uplay já foi desinstalada para o BEM DO MEU DISCERNIMENTO. Com certeza não irei fazer mais nenhuma review de títulos da marca porque Ubisoft é algo que já removi não só do meu PC como do meu vocabulário.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Twitch - Qual o teu futuro? Aparentemente não será brilhante

07:46:00 0
Photo via ESPAT Media
Pelos vistos Richard Tyler Blevins, é o "teenager"  mais popular do planeta. Mas para quem não o conhece pelo seu nome real, mas Ninja(seu nickname)  já é um nome facilmente reconhecido. Ninja tornou-se popular com um exponencial crescimento desde que se lançou na plataforma como streamer a tempo inteiro. Quem não o viu a jogar pode achar estranho que assistir alguém jogar pode gerar receitas monetárias com muitos zero, seja dos seus patrocínios seja pelos subscrições (pagas) do seu público, ou doações diretas. Não sei ao certo quanto dinheiro o Ninja fatura mensalmente mas o seu budget deve estar muito acima dos meio milhão de dólares por mês. (estima-se que sejam uns redondos $18 milhões de dólares por ano). Isso eventualmente ocorreu porque Ninja joga um dos jogos mais populares no momento (Fortnite) que em Maio de 2019 registou a marca de 250 Milhões de contas registadas.

Sensivelmente em Junho de 2018, quando o Ninja assinou contrato com a Redbull o seu encaixe não foi só monetário mas como a sua exposição atingiu números record (tanto de visualizações em simultâneo como para o número de seguidores  e subscritores). 

Sim são números que ultrapassam a compreensão de quem não o assistiu e não compreende a emoção que é ver não só um bom jogador mas um "puto" com elevado carisma, pessoalmente eu não gostava dele, mas quem pode dizer que não gosta sem ver? Eu fiz isso e depois de ver gostei. (assumo).
E o que nos trás aqui não é só o tema do Ninja e a sua popularidade, de facto o Ninja chegou a tais metas da sua vida começando com o Twitch (plataforma de livestream gerida pela Amazon), bem como seu famoso canal no youtube. Em outras palavras, o Ninja criou progressivamente a sua própria marca, que começa no seu nickname, passa pelo seu merchandising e acaba na sua choruda conta bancária.  

Recentemente o Ninja, fez um contrato com o Mixer.com (gerido pela Microsoft, xbox) e abandonou a plataforma da Twitch.tv. De referir que o ninja não tinha um contrato com a Twitch, teria "apenas" uma conta com rank de partner. Para quem não conhece a Twitch é uma plataforma muito escalonada e muito cheia de regras por motivos que não se compreende de todo (abaixo tentarei explicar melhor).

Em meados de Agosto de 2019 Ninja moveu-se oficialmente para o Mixer.com e claro, como mencionei acima o seu carisma, não teve dificuldade de em poucos dias ultrapassar números record no mixer de subscritores e seguidores. Para que se compreenda melhor, ninja começou no dia 1 de agosto, no dia 6 de agosto já era noticia por ter ultrapassado a marca de 1 milhão. Números largos muito gordos que não passou desapercebido ao Twitch. O ninja sempre manteve o seu canal no Twitch ativo mesmo sem estar a usar a plataforma desde a mudança (afinal como referi acima Ninja construiu a sua marca e como é óbvio tem os seus interesses no que é inteiramente seu, o seu nome e a sua imagem). 


Podemos falar das melhores práticas usadas pelas plataformas de streaming, mas a Twitch desde há sensivelmente 1 ano tem estado na ribalta com inúmeras situações inóspitas senão de práticas moralmente condenáveis. Além da twitch ter um roll de requisitos, complicações, obstáculos e demasiado interesse econômico (afinal de um gigante da internet, amazon on top), seja pelo constante BOMBARDEAMENTO DE PUBLICIDADE (mesmo para assinantes da Twitch Prime) com a premissa de que serve para ajudar os streamers (uma redonda mentira que até a data não vi um único partner ou afiliado confirmar) a Twitch recentemente sobe o pretexto de que estava a fazer um teste.

Resulta que a Twitch usou indevidamente e só o canal do Ninja para indexar os conteúdos do Fortine, em outras palavras usaram o canal do Ninja para promover outros conteúdos. A situação foi facilmente contornada por outro streamer, que além de quebrar as regras básicas do Twitch colocou em causa um streamer de renome, Ninja que apesar de ter gerado receitas astronômicas para a Twitch não merecia em nada este tipo de situação (assim como nenhum outro streamer merece, diga-se de passagem), situação essa causada unica e exclusivamente pelos decisores da Twitch.

Literalmente o que aconteceu é que um streamer (não importa qual) criou uma livestream de conteúdo hardcore (sexo) e indexou a livestream para o Fornite. Conclusão, por obra e mestria da Twich o conteúdo hardcore (sexo) apareceu no canal do Ninja (momento capturado na imagem abaixo).  


Porque a situação é grave?

Primeiro, não é suposto nem deveria haver espaço de manobra para streamers fazerem live(diretos) de conteúdos que não os que a plataforma aceita (relembro que a Twitch é uma plataforma maioritariamente de jogos/gamming), onde consta expressamente que tem regras e a quebra das regras implica termino da conta.
Segundo, Ninja além de ser jovem, 28 anos de idade é seguido por um volume muito grande de menores de idade ou seja um público alvo com idade inferior a 18 anos de idade.
Terceiro, não obstante a situação final dever-se a um utilizador a abusar da plataforma tudo aconteceu simplesmente porque (conforme palavras da Twitch) fizeram um teste (vamos fazer de conta que acreditamos que era um teste, pois na verdade era a mesquinhes para ganharem dinheiro em cima do nome que o ninja criou), afinal o teste só foi no canal dele......

No dia 11 de Agosto o Ninja publicou o seu video curto com um titulo muito sugestivo resultante da instrumentalização da Twitch como "enojado e peço desculpas", explicando o que se tinha passado, pedindo desculpas por algo que não fez, não criou.
Essa reação do Ninja resultou rapidamente em declarações do CEO da Twitch Emmett Shear que depois de 4 desculpas, diz não haver desculpas para o que aconteceu ( se isto não é para rir só serve para sentir algo desprezível da dita entidade ). Já o ex executivo Justin Wong colocou em causa a situação lançando uma questão para o "AR" que claramente tem uma resposta óbvia e direta.
Twitch's decision to unilaterally promote other channels on @Ninja's channel represents a long-running internal conflict at Twitch: who owns the viewers - the streamer or the platform? - Justin Wong

Quem é dono dos Views (ou seja o seu público)?? Claramente é o NINJA? Qual é a dúvida? Será que a Twitch está assim tão arrogante a tal ponto de querer tudo o que não lhe pertence? Se assim o é, só desejo que a twitch ou mude o seu business model ou que em alternativa tenha uma queda e desapareça para sempre...

Se a mixe.com está a crescer para melhor então que venha. Lá pelo menos por agora não se vê metade as situações inóspitas que se vê em outras plataformas. O ninja já foi para lá. Outros parecem querer seguir as pegadas. Mas é porque o mixer é melhor? Não sei, pelo menos não é pior que a Twitch e as suas politicas.

E o que fica na questão moral de tudo o que aconteceu? E como não há duas sem três, o streamer, DrDisrespect fez algo simplesmente condenável na rede que foi fazer uma livestream e entrar dentro de uma casa de banho, quebrando uma regra básica e elementar da Twtich, privacidade e direito ao respeito. Na altura pensou-se que o DrDisrespect iria levar um banimento permanente, mas como a Twitch só olha para o dinheiro / receitas, o mesmo voltou para o seu canal como se nada tivesse passado. Outro streamer qualquer nunca mais poderia por os pés na plataforma.

Afinal tal como o Ninja, o Drdisrespect se fosse banido do Twitch rapidamente voltava a ribalta em qualquer outra plataforma de stream. Como disse o público desses streamers não é das plataformas, afinal são publico fiel a essas personalidades e não da plataforma. Não há dúvidas.

Outro tema que não é novo mas tem gerado demasiada polemica são as inúmeras situações em que algumas poucas streamers do sexo feminino tem abusado dos Termos e condições de acesso ao serviço, muitas impunes, por motivos aqui já explicados.

E tu o que pensas sobre o que se tem passado na Twitch?


quarta-feira, 31 de julho de 2019

Tom Clancy's Ghost Recon® Breakpoint

10:51:00 0

Seguindo as pegadas do anterior título Tom Clancy's Ghost Recon® Wild Lands, a ubisoft não para de surpreender. Neste caso há uma enorme vaga de melhorias em relação ao título anterior.

Como o Tom Clancy's Ghost Recon® Breakpoint foi largamente publicitado para o seu lançamento no futuro, na altura aproveitei a possibilidade de entrar no programa de testes (há marcas de jogos que disponibilizam o jogo em modo de teste para os jogadores poderem deixar o seu feedback, muito mais sobre a jogabilidade do que do conteúdo em sí). Na semana passada finalmente, e durante 2 dias testei esta maravilha.

No meu caso testei em PC (computador) e a estabilidade e jogabilidade do jogo em sí está demais. Não obstante já ter encaminhado para a ubisoft algumas pequenas e importantes sugestões.

Como a entrada no programa de testes implica sigilo, não posso falar do que se passa no jogo nem mostrar imagens do meu gameplay. É justo. Mas também nem teria muito por onde spoilar dado que os desenvolvedores não coloram o audio necessário no inicio para se perceber a história que está por trás do jogo.

O programa de testes já fechou e neste momento pelo menos até a data de lançamento oficial (07/10/2019) está disponível o programa para Beta testers - Mais informação poderá ser acedida em https://support.ubi.com/en-gb/Faqs/000043031/Dates-and-times-for-Ghost-Recon-Breakpoint-Beta-GRB

Deixo-vos com o Trailer oficial. Minha nota de 0 a 10 será para este título de 9/10.

O jogo tem potencial, deverá custar por volta dos 60 Euros (aprox.) e promete muitas mas muitas horas de entretenimento, acção e aventura. O jogo está já disponível para pré reserva https://ghost-recon.ubisoft.com/game/pt-br/buy e os que fizerem pré reserva terão jogo na data (ainda por anunciar) acesso ao BETA.

PS: para quem já conhece o Ghost Recon não ficará muito surpreso no tamanho do mapa, qualidade e detalhes que eles fizeram já neste novo título Breakpoint. Só digo que vale a pena!!!

@spyvspyaeon

Follow Me